Quem somos

Tudo começou com apenas um homem. De origem humilde na Alemanha, em 1897, Lorenz Werthmann fundou a primeira Cáritas. A organização, batizada com o nome de uma palavra latina que significa amor e compaixão, cresceu e se tornou uma das maiores agências de ajuda e desenvolvimento do mundo. Em 1951, 13 membros da Cáritas se encontram em Roma pela primeira vez inspirados pela visão do futuro Papa Paulo VI, lançando as bases de uma rede internacional, buscando a organização e o crescimento. Em 1954, a Caritas Internationalis foi oficialmente reconhecida e iniciou os trabalhos dando respostas às inundações na Itália, Holanda e Bélgica.

Com o passar dos anos e as ações efetivas da Cáritas, novas unidades vão se inaugurando e se juntando na missão de levar o amor a quem sofre, coordenando operações de salvar vidas em países como a Etiópia, China, Vietnã, Índia, Paquistão, os grandes conflitos no Oriente Médio (Jerusalém, Jordânia e Síria), fornecendo assistência ao povo que estava com fome.

Em 1956 pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) deu início a Cáritas Brasileira, incumbida de articular todas as obras sociais católicas e assumir a distribuição do Programa de Alimentos para a Paz subsidiado pelo governo estadunidense como um dos eixos de uma ação maior chamada “Programa Aliança para o Progresso”, implementada após a Segunda Guerra Mundial.
Em 1966, a quantidade de donativos para a Aliança para o Progresso começou a diminuir e, em 1974, o programa foi extinto e, junto com ele, alguns regionais e muitas Cáritas Diocesanas encerraram suas atividades. Entretanto, muitas equipes que já vinham trabalhando para se adequar aos novos tempos foram encontrando um novo caminho em torno das ideias da educação de base e da promoção humana no lugar do assistencialismo. Assim, deu-se um processo de renascimento da Cáritas Brasileira, apoiado nas orientações sociais do Concílio Vaticano II e da Conferência de Medellín.


Nos anos 1980, os(as) agentes Cáritas começaram a respirar o ambiente da educação popular, das Comunidades Eclesiais de Base (CEB’s) e dos Organismos e Pastorais Sociais (CIMI, CPT, CPO). Isso possibilitou a renovação de sua metodologia de ação. A nova estratégia exigia um estudo da realidade para melhor compreendê-la.
Foi nos anos 1990 que a Cáritas Brasileira projetou iniciativas inovadoras como a dos Projetos Alternativos Comunitários e, com equipes estáveis (nacional, regionais e muitas dioceses), ela assumiu uma liderança ativa no conjunto das pastorais sociais.
Embora tenha sido construída por voluntários e voluntárias, a Cáritas conta com um quadro fixo de pessoas que, diante do crescimento, passou a assumir o planejamento, monitoramento, avaliação e sistematização (PMAS) e a busca pela gestão, comunicação, sustentabilidade institucional e formação dos agentes. Assim foram sendo criadas as Comissões, Grupos Gestores, Grupos de Trabalho, Conselhos, Fóruns e Coordenações Colegiadas.

Enquanto a Cáritas se adaptava a realidade do Brasil, a instituição passava por desafios mundiais, em países como Iraque, Sri Lanka e República Democrática do Congo. Os funcionários e voluntários eram brutalmente assassinados ao denunciar as injustiças praticadas contra os pobres, Abaixo foto do Arcebispo Oscar Romero de El Salvador, assassinado depois de pregar contra a brutalidade sofrida pelo povo.

Cáritas Diocesana de Teófilo Otoni

Fundada em 10 de Novembro de 2017, tem como associados membros das pastorais sociais da diocese de Teófilo Otoni,.

Tudo começou com apenas um homem. De origem humilde na Alemanha, em 1897, Lorenz Werthmann fundou a primeira Cáritas. A organização, batizada com o nome de uma palavra latina que significa amor e compaixão, cresceu e se tornou uma das maiores agências de ajuda e desenvolvimento do mundo.

Tudo começou com apenas um homem. De origem humilde na Alemanha, em 1897, Lorenz Werthmann fundou a primeira Cáritas. A organização, batizada com o nome de uma palavra latina que significa amor e compaixão, cresceu e se tornou uma das maiores agências de ajuda e desenvolvimento do mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *